Claudio Francisco Poullart des Places

De uma vida privilegiada para a pobreza, a vida do fundador dos Espiritanos Claudio Francisco Poullart des Places é uma história inspiradora de transformação através do Espírito Santo.

Claudio nasceu no ano de 1679, de uma família francesa rica e aristocrata.  Viveu durante o reinado de Luis XV e gostava do estilo de vida luxuoso próprio de um homem nobre. Iniciou sua formação com os Jesuítas, período em que amadureceu o seu desejo de ingresso no seminário.

Servindo os Pobres

Enquanto estudava Direito na Sorbonne, em Paris, Claudio foi-se dando conta da enorme disparidade e pobreza existentes na sociedade em que vivia. Com os Jesuítas, tornou-se consciente das condições precárias de vida dos meninos da rua e limpadores de chaminés. Essa realidade abriu seus olhos e também seu coração. Claudio sentiu-se impelido a ajudá-los e começou a usar a sua mesada para adquirir alimento e abrigo. Viu que estavam carentes de educação e também de apoio espiritual. Claudio resolveu então, ele próprio, começar a ensinar essas crianças da rua e a guiá-las na fé.

O envolvimento de Claudio com os garotos de rua aprofundou a sua fé, ao mesmo tempo que começou a sentir uma luta interna. Deveria ele desistir de tudo? Desistir da carreira da advocacia, de sua riqueza e de um lugar no Parlamento e, em troca, consagrar-se a servir os pobres? Depois de intensa busca de discernimento e direção espiritual, Claudio decidiu entrar no seminário. Deixou seus pais, que aspiravam a uma importante carreira para o filho e foi estudar teologia com os Jesuítas.  Aí viu que muitos de seus colegas seminaristas estavam com necessidades para o sustento básico e mais uma vez procurou uma forma de ajudá-los.

No Domingo de Pentecostes de 1703, Claudio reuniu um pequeno grupo de seminaristas pobres para formar uma comunidade dedicada ao Espírito Santo sob a protecção de Maria. Nascia assim a Congregação do Espírito Santo. Seu objetivo era apoiar os estudantes com poucas condições em sua caminhada rumo ao sacerdócio.

A intenção era que esses padres, por sua vez, servissem aos mais necessitados da França rural ou fossem missionários no exterior. Claudio era ainda um seminarista quando formou o grupo. Foi ordenado quatro anos mais tarde, em 1707, aos 28 anos de idade.

O Legado Permanece

Depois de ordenado, o P. Claudio continuou a dirigir a sua comunidade, que crescia rapidamente. Não foi por muito tempo. Dois anos mais tarde, em 1709, morreu com 30 anos. Foi sepultado em vala comum. O seu legado permanece na Congregação através do que ela fez pelos mais desfavorecidos. Os Padres do Espírito Santo – ou Espiritanos – tornaram-se conhecidos na Igreja pela sua disponibilidade para estar presentes em lugares onde ninguém mais queria estar e pela sua forma de viver simples e em profundidade de fé.