A Primeira Evangelização

“Dirigimo-nos, de preferência, àqueles que ainda não ouviram a mensagem do Evangelho ou mal a ouviram” (RVE 12, 15 e 16).

 1.1 Primeira evangelização em sentido próprio

Exemplos: países, regiões, povos ou grupos humanos aos quais o Evangelho não foi ainda comunicado: testemunho e serviço em nome do Evangelho (RVE 15.3); inculturação (RVE 16.1 e 2), diálogo (RVE 17 e RVE 16.3); anúncio explícito do Evangelho e nascimento de comunidades cristãs (RVE 15.1 e 15.2).

 1.2 Serviço às Igrejas locais (RVE 18 e 19), através de uma pastoral mais missionária, da animação missionária e da disponibilidade para “as tarefas para as quais a Igreja dificilmente encontra obreiros” (RVE 12).

Exemplos: trabalho com grupos não incluídos na pastoral habitual; esforços de inculturação e evangelização; formação dentro das estruturas eclesiais (seminários, centros de formação); promoção do espírito ecumênico e da abertura a outras culturas e outras religiões; solidariedade com as outras Igrejas e sensibilidade para a missão universal.

 1.3 Diálogo Inter-Religioso e Ecumenismo

Dialogamos e colaboramos lealmente com os responsáveis e crentes de outras religiões, assim como com aqueles que não acreditam em Deus: confiamos no Espírito Santo, que nos dirige, a uns e outros, para a verdade total (cf. Jo 16,13) RVE 16.3. Nesta área de apostolado, o diálogo com o Islão tem uma grande importância, inclusive com outras religiões mundiais como o Budismo, o Hinduísmo e as Religiões Tradicionais Africanas.

 1.4 Testemunhar o Reino pelo nosso próprio carisma missionário e pela nossa espiritualidade espiritana.

Exemplos: animação e formação espiritanas com vista ao despertar das vocações, entre elas de leigos espiritanos; promoção da vida fraterna em comunidades e circunscrições internacionais; formação de formadores (cf. Maynooth 2.31); centros de espiritualidade espiritana; casas de retiro; divulgação da espiritualidade espiritana.