2º Congresso da Juventude Espiritana Missionária – JEM

Declaração

O amor de Deus, manifestado no coração do ser humano, faz nascer uma idéia, uma atitude, uma mudança de vida.

JEM

Picture 1 of 1

Estamos aqui reunidos no 2º Congresso da Juventude Espiritana Missionária (JEM) da América Latina, na cidade de Governador Valadares, Minas Gerais, entre os dias 23 a 27 de janeiro de 2013 cujo tema é: “Despertar e Libertar” e o lema: “Jovens dispostos a viver a missão libertadora que Cristo indicar”.

Somos delegados das comunidades Espiritanas vindos de diversas localidades: Cabo Frio/RJ; Planalto e Mangalot/SP; Brasília/DF; Contagem e Governador Valadares/MG e Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, fazendo-se presentes também missionários e estudantes espiritanos de diversos países: Brasil, Irlanda, Haiti, Portugal, Cabo Verde, Paraguai e Alemanha. Contamos com o forte apoio dos leigos espiritanos de Governador Valadares, que nos acolheram com muito carinho e ajudaram na infraestrutura e de outras pessoas que também contribuíram para a realização deste congresso.

Trazemos bastante entusiasmo, experiências e expectativas em torno do carisma espiritano que vivenciamos em nossas paróquias. Estamos sedentos na busca pela expansão do conhecimento que nos faz olhar profundamente para a realidade, pois isso nos faz entender melhor como caminhar no ardor missionário.

Bendita a hora que, em janeiro de 2010, no último Encontrão dos Espiritanos da UCAL (União das Circunscrições da América Latina), escolheram a juventude como prioridade, tendo em vista que, a partir deste momento, acendeu-se a chama da JEM – Movimento Juvenil da Congregação do Espírito Santo sob a proteção do Imaculado Coração de Maria na América Latina. Desde então, caminhamos lado-a-lado, expondo nossas tentativas de maior aproximação da espiritualidade e do carisma dos fundadores, Cláudio Poullart de Places e Francisco Libermann.

Muitas foram as dificuldades enfrentadas, desde a implantação da JEM nas paróquias até o seu desenvolvimento, o que pode ser percebido no decorrer do congresso, tais como a falta de: acolhimento pelas pastorais, perseverança dos jovens, apoio e incentivo, entre outros. Esses obstáculos não nos desanimaram ou nos fizeram desistir, pois sabemos que as dificuldades são normais, posto que se trata de um projeto novo onde muitos ainda desconhecem sua real identidade. Acreditamos que, em meio aos espinhos, o Espírito Santo nos capacita a sermos verdadeiros guerreiros na defesa da solidariedade e da caridade, na perseverança da fé e no comprometimento com o outro e que a juventude pode construir um trabalho missionário e se fortalecer na sua continuidade.

Estamos em um processo de crescimento, amadurecimento de idéias e motivação para realizarmos trabalhos cada vez mais significativos nas nossas comunidades e sociedades. Nessa perspectiva, as atividades que estão sendo realizadas nesse 2º congresso visam à vivência da espiritualidade, por meio de orações, celebrações Eucarísticas e vigília, bem como à formação para o trabalho, oportunizando a troca de experiências entre os núcleos e a descoberta de dons e talentos através das oficinas (teatro, música, dança, expressão corporal e missão), momentos que despertaram sentimentos marcantes, especialmente porque percebemos que a atividade de evangelização pode ser realizada de inúmeras maneiras, utilizando-se dos diversos dons que nos foram dados por Deus.

Isto se torna importante, já que como Jovens Missionários devemos, em primeiro plano, a partir da nossa fé, olhar para o contexto social e cultural em que estamos inseridos, utilizando da nossa criatividade na luta para mudar os principais problemas que refletem nas questões sociais e religiosa.

Vimos que na cultura pós-moderna o ser humano se comporta de forma mais individualista e possui dificuldades de assumir compromissos permanentes. Além disto, o jovem hoje se encontra em um contexto social marcado pela violência, pobreza, marginalidade e descrédito, resultando em diversos medos (desemprego, morte precoce, entre outros), o que requer uma efetiva atuação governamental e missionária, sendo para nós grandes desafios. Não podemos nos esquecer que nos dias atuais a juventude vive em uma época de grande avanço tecnológico estando a todo instante conectada à internet, o que pode também ser utilizada como ferramenta para fortalecer a missão.

Assim, inspirados pelo Espírito Santo, pelo exemplo da fidelidade de Maria e pela vivência dos nossos fundadores, sentimos que não se pode ter uma experiência pessoal com Deus e ficarmos quietos em nosso “mundinho”. Por isso, somos chamados, como JEM, a irmos ao encontro destas pessoas anunciando, de forma criativa, o Evangelho, dando continuidade à prática de Jesus Cristo.

Essa vontade e entusiasmo ficaram ainda mais forte através dos testemunhos do irmão Mariano Espinoza Sala, nos campos de refugiados na Tanzânia; da leiga espiritana Ana Paula da Silva, na Bolívia; do estudante espiritano Mario Cabral, em Pokot, no Quênia; do Padre Hugo Ventura, movimento Jovem sem Fronteiras, em Portugal; da irmã Francisca Duarte Tavares e Pe Aureliano Judicael Ngouambéké no Brasil. Fato marcante dos testemunhos é o amor e a dedicação dos missionários para com os povos onde eles realizam o trabalho de evangelização, sendo que através das vivências e trocas de experiências eles também se sentem evangelizados.

Nós JEM, saímos, então, deste 2º Congresso animados e dispostos a responder ao chamado de Deus, comprometendo-nos com o trabalho missionário de forma permanente, sem deixar que essa chama se apague. Para tanto precisamos do apoio de toda a família espiritana, consagrados e Leigos Espiritanos Associados, a fim de que juntos possamos lutar pela defesa dos direitos humanos, pela justiça, pelo amor e pela paz, como um só coração e uma só alma.

Os delegados do 2º Congresso.

This entry was posted in Informações Espiritanas and tagged , , . Bookmark the permalink.